segunda-feira, 4 de maio de 2009

O tempo...que no fim não vale nada!

Mais Olhos Que Barriga
(Pedro Malaquias / Susana Félix e Renato Jr.)


O tempo, esse bandido clandestino
Salteador de estradas e memórias
Mistura numa névoa libertino
O passado e o futuro das histórias.

O tempo de dizer a vida é breve
O tempo de viver há quem o diga
Só espera que o diabo que o leve
O tempo tem mais olhos que barriga.

Ensinou os dedos de rameira
Remexendo em tudo muito embora
Seja sem prazer que tudo queira
Trinque e deixe a meio e deite fora.

O tempo que se esconde de emboscada
O tempo que te foge a sete pés
O tempo que no fim não vale nada.

6 comentários:

Anónimo disse...

vale e vale muito,
vale vive-lo contigo!

Scorpio_Angel disse...

Frase batida mas muito certa: o tempo é o que fazemos dele. ;)

Dantins disse...

Há que aproveitar o tempo para o tornar mais valioso.

Narizinha disse...

As meninas foram seladas no meu blog!
:oP

suspiro disse...

o tempo que o tempo tem: déjà vu! Vamos embora para a frente que atrás vem gente. LOL

Citadina disse...

Não me tinha apercebido de quão interessante e sábia é esta letra!
Beijos para as duas!